sábado, 30 de março de 2013

Mulheres, não tenhais medo





Pastora
  Maria de
Fátima




     Por que não devemos ter medo? A declaração do anjo nos dá a resposta: ″pois eu sei que buscais a Jesus″.
     Era final de sábado, e já começava um novo dia, quando Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. De repente um estrondo, a terra tremeu e um anjo do Senhor veio do céu, chegando e removendo a pedra, sentou-se sobre ela.
     Diante de tal presença, todos ficaram assustados, os guardas e as mulheres. O anjo brilhava como um relâmpago, e a sua veste era branca como a neve.
     Por se tratar de um mensageiro de Deus, trazia para aquelas mulheres uma determinação, antes, porém disse a elas, não tenhais medo, pois eu sei que buscai a Jesus, que foi crucificado, mas Ele não está aqui, porque já ressuscitou como tinha dito.
     Em seguida o anjo lhes mostrou onde o Senhor jazia, estando vazio o lugar disse-lhes: ide, pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dos mortos.

Mas o anjo respondendo disse às mulheres: não tenhais medo, pois eu sei que buscai a Jesus, que foi crucificado. 
(Mateus 28.5)
     Todo o temor deu lugar a uma grande alegria no coração daquelas mulheres, que correram a anunciá-lo.
  











     Eis que Jesus lhes sai ao encontro dizendo: Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os seus pés e o adoraram. Então, Jesus disse-lhes: não temais ide dizer a meus irmãos que vão a Galiléia e lá me verão.
   Nesta páscoa, convido todas as mulheres a permanecerem leais a Jesus quando o mundo o despreza, e a comunicar que Jesus é o Cristo Ressurreto, que já venceu a morte, e levou sobre si todas as nossas dores, para que sejamos livres no meio de um mundo que rejeita o seu amor, a sua salvação e a sua santa Palavra.
     Somente assim venceremos a violência doméstica, o tráfico de mulheres, a exploração sexual, a falta de isonomia salarial, o abandono, a depressão, o câncer de todas as espécies e outros  males no corpo e na alma.
     João expressa essa verdade em 1Jo 2.28: e agora, filhinhos, permanecei nele, para que, quando Ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos confundidos por Ele na sua vinda.    

sábado, 9 de março de 2013

ALTAR DE TESTEMUNHO


Pela passagem do aniversário do ministério de Cristo em minha vida, veio a pergunta: o que fazer para mostrar minha gratidão ao Senhor? 
   Logo bem cedo, comecei a pensar em todos os grandes nomes da Bíblia, e o que eles fizeram para agradar a Deus, e como exemplo, lembrei-me primeiro de Abraão, homem de fé e obediência, sobre o qual Deus imprimiu a justiça de cima para baixo, e em contrapartida, ele erigiu um altar dando fim a um tempo de desavenças em sua vida. 
   E o que significa a expressão "Altar de Testemunho"? A guisa de colaboração, é como levantar um altar como testemunha do poder de Deus sobre as lutas, vitórias e conquistas.
   Bem, Jacó e Labão, Moisés e Josué fizeram o mesmo, dando testemunho de Deus, cada qual, com a motivação que lhe era peculiar. 
   Em Gênesis 31. 44-52, encontramos o "Altar de Testemunho" de Jacó e Labão, dando fim ao período de humilhação, perseguição, exploração e infidelidade em suas vidas.
   Moisés para testificar o fim da fome da escassez de pão, teve o altar como testemunha de que Deus enviava o maná do céu (Êxodo 16. 31-35). 
   Já em Números 17.25, vemos o fim da rebelião e da luta pelo poder, e em Deuteronômio 31.19-30 chega ao fim, a murmuração e a idolatria, conquistas que Moisés atribuía a vitória ao grande "Eu Sou".
   Um dos altares que mais me chama a atenção, é aquele erigido por Josué, quando ele testemunha a consolidação do fim do deserto e de toda incredulidade (Josué 22.27-28, 34;24.27).
   Sendo assim, quero nesse tempo presente, tempo de nova aliança, tempo de reconciliação, de redenção, manifestar da mesma forma que os homens no passado, o meu reconhecimento à Deus, só que erigindo esse "Altar de Testemunho" no meu interior, morada do Espírito Santo, e dizer que esta construção prosseguirá todos os dias da minha vida, avançando para o alvo que é a vida eterna.
   Ergo o altar para testemunhar e selar o dom da vida, porque fui resgatada do leito de morte, após um ano de dores em alta dimensão, onde fiquei prostrada, sem se quer levantar o tronco, mas sendo conduzida pela mão de Jesus ao eixo essencial traçado por Deus para mim.
   Ao erigir um "Altar de Testemunho", quero testificar que sou um milagre, e que o favor de Deus tem me alcançado, assim também como à minha casa.
   Traduzir publicamente o que estou sentindo, é um ato de ousadia pelo Espírito de Deus, que deseja também edificar a sua vida. 
   Crer em Jesus como meu salvador, fez-me co-herdeira com ele de um testamento valiosíssimo, passado e assinado no cartório do céu, e assinado embaixo, DEUS, habilitando-me assim para muitas outras conquistas. 
   No "Altar de Testemunho" que levanto para o Senhor da minha vida, quero celebrar o ministério que Ele me entregou, e que exerço ao lado do meu esposo e amado Gilberto, cujo o ministério é profícuo, que tem também perfeito conhecimento do grande amor de Deus, tornando-nos assim, pastores sob a cobertura de uma unção dobrada.
   Em comunhão profunda com o Espírito Santo, quero testemunhar que as grandes vitórias são alcançadas no deserto que atravessamos, quem me viu definhando e me vê agora de pé, sabe que Deus me arrancou dos braços da morte para os braços de Jesus, entregando-me ali uma missão, a qual foi passo a passo revelada para mim, afinal, Deus liberta o seu povo para que ele ofereça ainda no deserto, sacrifícios que lhe concedam passagem livre para um novo tempo, de saúde plena e felicidade.
   Estou aqui escrevendo, o que muitas vezes declarei no púlpito ao ministrar, que Deus me fez mais que vencedora em Cristo Jesus, e que pode fazer você também vencer.
   Percorri uma longa estrada, que se transformou numa grande experiência vitoriosa, cuja a leitura faço de forma poética: aprendi através da fé, da paciência e da disciplina, que a vida é uma ordem, e que escolhas decidem destino, porém só Deus altera a carga espiritual do homem a seu favor.
   No "Altar de Testemunho", entrego ao Deus que eu sirvo tudo que sou, pois o verbo não é mais, eu tenho, e sim "Eu Sou".
   Fui uma mulher do deserto, hoje eu sou, mulher de Deus, esposa, filha, mãe e avó, e tudo isso me completa para viver o que eu sou de mais importante, ministra da Palavra de Deus.
   Eu sou, vida em abundância, e convido você também a viver essa construção em Cristo Jesus.